Homeopatia: O que é? Mentira! Crendice! Pseudociência!

Autor: Luis Anunciação

Fonte: Núcleo de Experimentos em Neurociências

Há algum tempo que me deparo com a seguinte colocação quando dou aulas, recebo aulas ou estou atendendo no consultório. “Ah, mas é só ir num homeopata que ele te cura” ou coisas piores, como, “Depois que eu me tratei com homeopatia a dor sumiu”. Frente a essas colocações, eu tento argumentar mostrando as claras e evidentes limitações da homeopatia. Coisa que não parece dar certo, pois, como crentes fanáticos, as pessoas simplesmente não aceitam mudar suas opiniões frente a uma evidência. Até aí, tudo normal. Sou Neuropsicólogo e conheço bem os eventos associados à dissonância cognitiva.

O que eu gostaria de fazer, tendo em vista que aqui não tem muito espaço para crendices (exatamente, leitor; aqui se apoia a ciência e não a religião!), é mostrar a baboseira que é a homeopatia e as consequências drásticas que seu uso pode fazer em algumas patologias.

O primeiro ponto é lembrar que a doença tem uma História Natural. Mas o que é isso? É simples, o resfriado tem uma tendência natural a se extinguir. Você raramente ficará resfriado por 30 dias ininterruptos!!! A dor de cabeça também. A febre, também! Isso não significa deixar de procurar um serviço de saúde, mas significa saber que muitas patologias tem a tendência natural a perder a briga que traça com seu organismo (já que é isso que acontece quando você tem uma bactéria que para viver precisa que você morra!)

Segundo ponto a saber é que sabedoria milenar não prova nada (muitas vezes, até atrapalha)! Muita gente vem com esse papo que no japão feudal se utilizava farpas de madeira para curar enxaqueca ou que não tem nada melhor para previnir a chuva que o Teru Teru Bozu. Simpatia é a mesma coisa, não serve para nada além de confortar psicologicamente a pessoa que faz. Gente, vassoura atrás da porta para mandar embora visita ou se esfregar na parede para perder barriga ninguém merece!

Terceiro e muito importante, existe um grande movimento na medicina moderna chamada “Medicina Baseada em Evidências”. O que é isso? É o seguinte. Essa história de médico velhinho, cheio de conhecimento sobre a vida acabou! Agora para se falar algo, tem de ter as provas que esse algo funciona, as provas que esse algo que você está falando faz sentido! (nessa hora o discurso costuma a ficar caloroso e a pessoa sempre fala: ah! mas eu confio no meu médico pois me trato com ele desde criança. Esses médicos costumam ser da mesma classe que disseram que uma criança estava chorando pois seus dentes nasciam e não porque estava com dengue. obs: criança morreu!) Então, dá próxima vez que for ao médico (amplie isso para psicólogo, fisioterapeuta, etc), antes de sair com a receita, peça para ele te explicar a lógica que ele utilizou na consulta. O bom profissional não terá problema algum com isso, fique tranquilo!

Quarto, homeopatia não é fitoterapia. Uma coisa é tratar com planta, também algo estranho, outra é tratar com nada.

E quanto a homeopatia? Pois bem, a homeopatia tem alguns princípios interessantes. Vamos listas e arrebentá-los!

1) Princípio do Semelhante. Funciona assim, as substâncias existentes na natureza (de origem mineral, vegetal e animal) têm a potencialidade de curar os mesmos sintomas que são capazes de produzir. Imagine que você está embriagado. Como curar ? bebendo mais! (e mais, e mais!!)

2) Doses Mínimas. (Quão menor, melhor!). É exatamente isso, a dose do “medicamento” homeopático tem de ser baixa, mas tão baixa que é a mesma coisa que você pingar uma gota de Dipirona (a famosa Novalgina) no oceano e depois o beber. Você vai na farmárcia e pede, “senhor vendedor, tem como você me arrumar uma novalgina ? – Sim, claro! – Mas, por favor, tire o conteúdo da novalgina e coloque água, tá!, acho que assim será melhor! Alguém faz isso ?

3) Quem fala sobre homeopatia é o homeopata. Pois bem, quem entende de homeopatia é o homeopata, ele é o único autorizado a falar sobre, ele é o único com conhecimento sobre, ele é o único que consegue fazer tratamento correto sobre, ele é o único …. (isso mais parece papo de maluco, não concordam???)

Não quero falar, com isso, que Hahnemann (a pessoa que inventou isso tudo) fez de propósito. Na época dele, e para ele, essa crendice fazia sentido (e sucesso). O problema é persistir com isso hoje. Quando a gente persiste muito, mas muito mesmo, acaba por dar problemas graves, como o caso famoso do casal de médicos que tratou seu filho recém nascido com homeopatia e foi preso após o bebê morrer (leia aqui ou aqui).

Mas agora chega o ponto que o leitor discorda de tudo e diz: “ah, mas funciona, pois até meu cachorro foi tratado com homeopatia“. Explicação lógica e simples para refutar o leitor é que o cachorro é um ser orgânico como você e que as doenças neles são bem parecidas com as suas, viu!! (lembram da História Natual da Doença?). Depois dessa, o leitor diz “ah, mas funciona pois eu já me tratei e melhores”. Vamos lembrar do famoso efeito placebo, onde uma substância sem princípio ativo funciona. Depois dessa o caminho tornou-se tão absurdo como provar que somos filhos de Deus e o mundo foi criado por ele em 7 dias e essa bobeira toda.

Como forma de fazer lucro, já existe os sites de Homeopatia Online (algo muito parecido com cura prânica, radiestesia, terapia de vidas passadas e essa baboseira), site para homeopatia para bebês (olha que você pode matar seu filho e acabar na cadeia, viu) e por aí vai.

Comments are closed.